O terrário é como a felicidade, tão pequena e que permanece sempre ali: basta nós querermos abrir a rolha e deixar que o aroma nos inunde e inspire! Belo texto, faz-me lembrar um pouco a Alice e o seu país das maravilhas.